Aurora

À Quintana:

E todos aquilos
que um dia estiveram atravancando o meu corpinho
(...)

Eles passaram.
Eu passarinho! v.V

_Aline, 21/03/2015.



sábado, 17 de janeiro de 2015

concreto


palavra silenciada
fantasia partida
realidade
afixada

entre paredes de duro branco
pele descamada e poesia ressequida

único toque veemente? o do telefone
a voz doce: para ouvidos outros


rosa desejou o mar o ar a redoma
qualquer coisa que protegesse do vento
da realidade

em vão: só encontrou cimento e repetição

[que seja vento
e leve
então]


_Aline, 17/01/2015.


Fotografia de Margot Félix




Nenhum comentário:

Postar um comentário