Aurora

À Quintana:

E todos aquilos
que um dia estiveram atravancando o meu corpinho
(...)

Eles passaram.
Eu passarinho! v.V

_Aline, 21/03/2015.



sábado, 14 de março de 2015

Pós-parto


Era noite. 
O interfone tocou, chamando-a para a rua. Ela saiu. Foi recebida com céu estrelado e paineira florida. Ambos a lhe saudarem com a mensagem de que a vida permanecia pulsante apesar da chuva torrencial que desabara nas últimas horas. E ela, de repente, percebeu que os porquês eram desnecessários, que a vida é um grande mistério e que querer entendê-la  e explicá-la pode ser só mais uma maneira de não vivê-la. De não estar inteira nela e nela inteira. E percebeu que viver pode ser apenas um sonho em estado de vigília [seja como for, sempre se acorda]. E, de súbito, deu-se conta que não mais sequer sabia se sonhara ou despertara. Mas tinha duas certezas: pulsava, e via-se recém parida [dos escombros].

_Aline, 14/03/2015.



Maria-sem-vergonha, pelos olhos de Margot Félix.
















Nenhum comentário:

Postar um comentário